Seguidores

quarta-feira, 17 de maio de 2017

Cancerianos têm uma grande capacidade de amar, são protetores e amigos fiéis.


Para ilustrar como tudo isso era bem verdade na personalidade de Robin Williams (21/07), contaremos um fato que talvez muitos não saibam.




Williams era filho de um executivo sênior da Ford e de uma ex-modelo. 





Pode ser difícil de acreditar, mas o próprio ator contava que era muito quieto e tímido na infância, e que isso só mudou quando ele se envolveu com o teatro na escola. Ele se destacou nos estudos com excelentes notas, foi eleito presidente da turma e também não fazia feio nos esportes, tendo jogado futebol americano e feito luta-livre. 





Ao se formar no colégio, em 1969, foi votado como o "mais engraçado" pelos colegas e também, curiosamente, "como o mais provável a não ter sucesso na vida".





Depois de largar a faculdade de Ciências Políticas no Claremont McKenna College, na Califórnia, Williams estudou teatro por três anos no College of Marin, idem, onde quase matava os colegas de tanto rir. 





Em 1973, ele fez testes para obter uma bolsa de estudos na prestigiosa Juilliard School, em Nova York, considerada a melhor do mundo na área de artes performáticas. Ele foi um dos apenas 20 estudantes selecionados entre 2000 e não foi só isso: também foi um dos dois únicos a serem aceitos por John Houseman no Programa Avançado naquele ano. O outro foi Christopher Reeve, de quem todos se lembram como Super-Homem. 







Os dois chegaram a ter várias aulas em que eram os únicos alunos, inclusive o curso de sotaques, em que Williams quase enlouqueceu a professora, já que conseguia pular do escocês para o irlandês, inglês, russo e italiano alternadamente numa velocidade frenética, com a maior facilidade. O que ela poderia lhe ensinar?





E esse foi o início de uma longa amizade.

















Em 1995, Reeve sofreu uma queda numa competição de equitação e fraturou as duas primeiras vértebras cervicais, tornando-se tetraplégico. Sua esposa, a atriz Dana Reeve, com quem tivera o filho Will (Christopher tinha outros dois filhos de uma união anterior) passou então a cuidar exclusivamente do marido. 




Depois de muita luta por melhorias nas condições de pessoas com algum tipo de paralisia e por mais pesquisas com células-tronco, e de superar inúmeras intercorrências graves, Reeve acabou falecendo em outubro de 2004 devido a um infarto ocasionado por uma infecção. Dois anos depois, foi a vez de Dana, que sucumbiu a um câncer de pulmão. Desde o acidente de Reeve, Williams sempre pagou muitas de suas contas médicas e deu apoio financeiro à sua família.








O que muitos não sabem é que o casal escolheu Williams como tutor de Will – isso diz muito sobre o seu grande caráter, não? – e o ator o criou como seu próprio filho, chegando, inclusive, a adotá-lo legalmente.




Nenhum comentário:

Postar um comentário